Não tenho Twitter ponto Blogspot ponto com.: Maio 2010

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Ilusionismo literário


Você está lá. De pé.

Esperando.
E você espera, não desobedece.

Quem você espera?, pergunta o vento
Estou me esperando voltar, você responde.
E aonde você foi?, retrucou a brisa
Eu fui procurar minha vida, minha razão de amar.

E se você não voltar?, indaga a névoa
É porque encontrei.
E se você voltar?, replicou a brisa
Esperarei.
E quanto tempo é preciso esperar?, desafiou o vento
Vou saber quando eu voltar.

O vento, impaciente, foi ventar em outro lugar.
A brisa, indiferente, foi refrescar outros campos.
A névoa, imponente, foi gelar outras relvas.

E você continua esperando.
Com a esperança de voltar.



*por Angela

domingo, 16 de maio de 2010

O tempo e outras matérias


Sim, crianças, creio que haja um motivo muito especial para o meu big friend Ted convidar-me a participar como co-autora do NãoTenho Twitter. Ei-la: a minha teimosia. Conhecendo-me de outras quartas-feiras de cinza ele sabe que eu sou daquelas que sai por último e tranca a porta. É a verdade, eu não gosto de desistir, no mínimo, não sou a primeira a debandar, quase sempre, sou a última. Depois desta pequena pausa, puxo a fila para reatarmos nossas conversas.
Perseverança, teimosia, persistência são elementos em falta hoje. As pessoas desistem fácil de seus planos, querem ver os resultados rápido demais, não sabem esperar.
Pouca gente vê sentido em plantar uma árvore, porque não possuem paciência suficiente para acompanhar o crescimento dela e aguardar a época da colheita. O mesmo não se dá com os filhos, estes continuam nascendo indiscriminadamente, a despeito de demorarem a crescer. Talvez isto aconteça porque os filhos são tidos como um fim em si mesmo, não se pode esperar nada deles (ao menos nada contabilizável, como sacas, arrobas). O que me lembra de uma crônica do Otto Lara Resende (o autor é este, se eu não estiver enganada), na qual ele afirma que ter filhos é muito bom, o problema é que eles duram muito.
Duração, tempo. Quanto tempo é muito tempo? Qual o limite das esperas? Um ano é muito ou pouco? Trinta e seis meses é um prazo muito longo? A última postagem do Não Tenho Twitter foi em dez de março, ou seja, mais do que dois meses. Tempo demais para esperar?
Sem essa! O tempo é detalhe quando a espera é fundamentada. O tempo é sempre o presente.

Escrito por Ana Castle

sPeEdYtOwN